Inicial > PNBL > Reflexões brasileiras: Plano Nacional de Banda Larga

Reflexões brasileiras: Plano Nacional de Banda Larga

Introdução

O debate sobre o Plano Nacional de Banda Larga extrapolou o foco inicial, EMHO. Inicialmente, o objetivo para a implementação do PNBL era prover a primeira milha (outros chamam de última milha – diferença já abordada nesse blog), com banda suficiente para o uso da Internet sem restrições e, como mais importante objetivo, estender as facilidades da Internet a todo o território nacional, caracterizando a inclusão da população brasileira. O principal objetivo (o segundo acima) se sobrepõe a qualquer eventual restrição. Nesse aspecto o governo brasileiro está corretíssimo. Nada demonstra ao contrário. É uma decisão política que reflete no futuro, com imensa grandiosidade.

A preocupação da presente reflexão é lembrar àqueles que estão desenhando o projeto da PNBL de alguns aspectos esquecidos e, curiosamente, representam a força de sua viabilidade, na amplitude proclamada. Além de simplificar o debate e estimula o caminho da complexidade com entendimento intuitivo e completo.

Pressupostos

O primeiro componente da reflexão são os PTTs* e o trabalho que vem fazendo o Nic.br, nessa direção. Acertou o Nic.br. Eis o mapa dos PTTs atuais, na Figura 1, abaixo.

Figura 1. PTTs já em funcionamento (bolas azuis) (Ref:Mapa do Brasil retirado de uma página do BNDES).

Outros estados brasileiros e respectivas cidades importantes, já estão com seus PTTs em andamento. Um estímulo financeiro, sem que haja significativo excesso nos recursos já alocados pelo Nic.br pode, rapidamente, crescer a presença dos PTTs. Com os PTTs, ocorrerão duas coisas importantes: rápido acesso à Internet em locais onde a dificuldade é maior e baixo custo para esse acesso.

Pressupostos no entorno dos PTTs

A iniciativa privada (concessionárias com mente avançada e, principalmente os pequenos provedores) irá se aproveitar da disponibilidade dos PTTs. A competição, sob uma demanda de mercado imensa cuidará dos preços acessíveis. Sempre haverá condições para competir. As empresas de Serviço de Valor Agregado – SVA (VoIP, gerenciamento remotos, datacenters, etc.) e de serviços de infraestrutura (física e lógica) sofrerão um impacto positivo, principalmente, aquelas com conhecimento e características de inovação, que estejam preparadas para o que virá junto com o PNBL. Não se deve mexer ou criar empecilhos para livre iniciativa. Exceto o uso dos recursos periféricos de interesse público. Coisa que a Anatel pode cuidar desde que ela seja uma agência reguladora independente, isto é, no sentido lato, uma agência reguladora PRECISA ser independente.

PTT está ótimo sob a coordenação do Nic.br, muito bem preparado para isso. Deixemos com ele. Mas, surge uma questão importante com os PTTs. Eles devem se interconectar. A interconexão entre PTTs tem sido feita pela iniciativa privada e, com muita frequência tem ocorrido a “tercerização” do transporte nessas interconexões. O resultado é o preço aviltado em não menos do que 40%, com uma natural variação muito grande. Chamo isso de “terceirização oportunista”. Se continuar dessa forma, teremos instabilidade nas interconexões (e, nos preços), entre os PTTs. A proposta é que, à luz dos objetivos fundamentais do PNBL, cuide o governo das interconexões. Mas, colocar isso nas mãos de uma empresa nova, sem experiência ou quadros preparados é um tiro no pé. Portanto, a sugestão do modelo exposto nesse texto é deixar por conta de quem entende muito e com bastante experiência de interconectar todo o Brasil: Rede Nacional de Pacotes (RNP). A RNP é imbatível na habilidade em lidar com redes de longa distância, complexas e funcionais e, com facilidade contorna as limitações físicas.

À iniciativa privada, deve restar o mais importante gerador de negócios do PNBL: o trânsito e o transporte. A primeira milha, com as facilidades dos PTTs e suas interconexões cuidará para que os patamares dos preços de trânsito e transporte estejam nos limites adequados.

As interconexões entre os PTTs

As interconexões entre os PTTs exigem facilidades físicas. Vejam o privilégio do Brasil: Eletronet e congêneres! Ai entra o governo com o fôlego atual, com ênfase na recriação da Telebrás. A Telebrás parece ser mais apropriada para absorver a rede da Eletronet, nas condições em que se encontra. Uma restrição interessante à Telebrás é a de que ela seja um Tier 1**, no Brasil. A restrição é de que ela nunca compre trânsito, em particular, trânsito internacional, já que ela É o trânsito nacional. Colocando a RNP e Nic.br no circuito fundamental do PNBL, a Telebrás será uma empresa enxuta e orientada a perpetuar o PNBL na medida da necessidade do povo brasileiro e na dinâmica inerente à inovação tecnológica (tipo, “o futuro é agora”). Ela será, também, uma empresa de fomento e pouco interesse haverá para investidores. O governo não precisa de investidor para a Telebrás. Que se use o FUST pois, estará muito bem empregado. Não se pode esquecer que à Telebrás exercerá um papel importante na formação dos preços da primeira milha (ela é um Tier 1, grande – ou, maior – vendedora de trânsito no Brasil!). Não estou entrando no mérito ou justificativas jurídicas que envolvem a Eletronet. Nem conheço bem essa questão. Mas com ou sem a Eletronet, o modelo faz sentido. Por exemplo, a RNP tem um backbone que transcende ao da Eletronet (independente se próprio ou contratado).

Conclusões

O modelo da reflexão é curto e grosso. Mas mostra um outro caminho para o debate. Sobretudo, retira das bordas o excesso, sob a luz dos interesses de grupos e avança na direção de um debate mais participativo.

A proposta é simples, como disse. Há algumas respostas a perguntas que poderiam aparecer. E, ansiedade por contribuições. Na sequência, pode-se aprofundar no modelo da reflexão. Não se pode deixar de criar o debate objetivo que traga benefícios para o país. Faz parte de nosso princípio profissional evitar que a indefinição direcione a um cenário em que a competição efetiva seja posta de lado. Competição irá absorver a expectativa de todos os brasileiros, em particular, as nossas, empresas e técnicos. Talvez, a palavra chave. Indefinição e despreparo técnico para sustentar o cenário complexo o transformará em caos, numa extensão jamais vista. Mas, um PNBL consistente e visível, certamente será exemplar ao povo brasileiro.

* PTT, ou mais precisamente, PTTMetro é o nome dado ao projeto do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGIbr) que promove e cria a infra-estrutura necessária (Ponto de Troca de Tráfego – PTT) para a interconexão direta entre as redes (“Autonomous Systems” – ASs) que compõem a Internet Brasileira. A atuação do PTTMetro volta-se às regiões metropolitanas no País que apresentam grande interesse de troca de tráfego Internet. (http://sp.ptt.br/intro.html)

** Tier-1 é a referência a um provedor de acesso à Internet que tem acesso à tabela de roteamento global sem comprar trânsito de ninguém. A tabela de roteamento é estabelecida ou atualizada, através de relações de “peering”. Nesse texto, está sendo usado no contexto do território brasileiro, somente e, não entra no mérito (abstração ditática) à tabela de roteamento.

Categorias:PNBL
  1. juliaobraga
    18/03/2010 às 06:49

    Um ambiente com muita informação para o debate é o http://www.wirelessbrasil.org/, coordenado pelo Hélio Rosa. Está sendo feito um ótimo trabalho, há vários anos. Em particular, o PNBL tem um espaço reservado em http://www.wirelessbrasil.org/wirelessbr/secoes/telebras_eletronet/resumo.html.

  2. juliaobraga
    18/03/2010 às 06:58

    Ótima intervenção no WirelessBrasil: http://www.wirelessbrasil.org/bloco/2010/marco/mar_60.html, do José Roberto de Souza Pinto, que leva às seguintes perguntas:

    1. O FUST é uma verba setorial?
    2. O FUST pode ser usado para viabilizar o PNBL? Há movimentos formais nesse sentido, do governo brasileiro?
    3. Qual o valor atual do FUST e onde acompanhar?
    4. Comparativo do valor estimado para o PNBL e outros países, em particular os EEUU.
    5. Há estudos semelhantes ao de VARIAN e LITAN citados na mensagem, aplicados ao Brasil?

  3. juliaobraga
    18/03/2010 às 07:06

    O Ethevaldo Siqueira transcreve o artigo do Julius Genachowski, presidente da FCC (Federal Communications Commission ou Comissão Federal de Comunicações), órgão regulador norte-americano, foi publicado no jornal The Washington Post, no domingo, 14 de março de 2010: http://www.ethevaldo.com.br/Generic.aspx?pid=2234. Muito bem escrito, claro e objetivo fecha o texto com: “A História nos ensina que as nações que lideram as revoluções tecnológicas obtêm enormes recompensas. Nós podemos liderar a revolução da banda larga com fio e sem fio. O momento de agir é agora.”

  4. juliaobraga
    29/03/2010 às 09:01

    Documento recente, passado na lista GTER: http://www.ietf.org/proceedings/10mar/slides/plenaryt-4.pdf, do conhecido Craig Labovitz, dá conta de que a Internet está mudando. Incluindo as definições e conceitos. Mudança não é uma novidade na área tecnológica mas, Labovitz chama atenção, na conclusão de sua palestra, para o fato de que: (a) a Internet está em um ponto de inflexão; (b) o foco está se alterando de transmissão para conteúdo; (c) novas tecnologias estão remodelando a definição de Internet; (d) as mudanças estão produzindo novos desafios na área comercial, de segurança e de engenharia. O documento tem muitos exemplos (estatísticas) que induzem às conclusões. Por exemplo, de 2007 para 2009, Web sofreu um crescimento de 24,77%, Vídeo cresceu 67,09%, VPN, 35,58%, jogos 28,95% e ssh 47,37%. Decresceram: email 2,13%, P2P 71,28%, DNS 15% e ftp 33,33%.

  5. juliaobraga
    28/04/2010 às 11:45

    Enquete em andamento na Revista Acesso sobre o PNBL => http://bit.ly/cLcY4A e, assinatura grátis => http://bit.ly/agYkXn.

  6. juliaobraga
    07/05/2010 às 12:19

    Fato consumado. Nada a discutir. Temos de ajudar e conviver com o modelo e aceitar as ponderações da FLÁVIA LEFÈVRE em: http://bit.ly/bP7wbo => “Mas, voltando para o campo do realismo, maturidade e otimismo: vivas ao Plano Nacional de Banda Larga!”.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta para juliaobraga Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: